Sociedade
KIOSK(ext)
WEBMAIL
Abrir Painel

Destaques

User Rating: 5 / 5

Crianças portuguesas estão menos gordas, mas são muito sedentárias

Obesidade COSI

O combate à obesidade infantil parece estar a dar resultados positivos. Ainda assim, 30% das crianças entre os 6 e 8 anos tem peso a mais.

Introdução

O quarto estudo de Vigilância da Obesidade Infantil feito em Portugal nos últimos oito anos revela que o combate ao excesso de peso nas crianças está a dar resultados, apesar destas passarem cada vez mais tempo a jogar computador e irem quase sempre de carro para a escola. Os números das crianças com excesso de peso (30,5%) e obesidade (11,8%) ainda são bastante alto, mas atingiram o nível mais baixo desde 2008 (na altura eram 37,9% e 15,3%), numa descida significativa e contínua. O consumo de refrigerantes, batatas fritas de pacote, folhados, aperitivos salgados, pizzas, hambúrgueres ou enchidos é comum, mas a esmagadora maioria dos menores que os comem fazem-no apenas uma a três vezes por semana. Há no entanto um outro dado que preocupa os especialistas da Direção-Geral da Saúde: 76,9% das crianças vão para a escola de carro, sendo poucos os que vão a pé, com 64,6% dos encarregados de educação a dizer que o caminho casa-escola ou vice-versa não é seguro, numa opinião comum, também, entre quase metade dos responsáveis das escolas. 

Destaca-se o seguinte:

  • Estado nutricional infantil - de 2008 para 2016 verificou-se uma redução de 7,2% na prevalência de excesso peso infantil (37,9% para 30,7%) e de 3,6% obesidade infantil (15,3% para 11,7%);
  • Caraterísticas do ambiente familiar - a hipercolesterolemia foi a doença mais reportada (41,0%), seguindo-se a hipertensão (37,0%) e a diabetes (36,0%); as mães apresentavam uma prevalência de 12,4% de obesidade e 28,1% de pré-obesidade e os pais 14,9% de obesidade e 48,8% de pré-obesidade (auto-reportado);
  • Consumo alimentar infantil – 17,3% da população infantil consumia diariamente mais frequentemente carne do que peixe (9,8%); 75,1% consumia 1 a 3 vezes por semana biscoitos/bolachas doces, bolos e donuts; 86,8% rebuçados, gomas ou chocolates e 65,3% consumia refrigerantes açucarados, na mesma frequência;
  • Prática de atividade física e atividades sedentárias - a maioria das crianças (76,6%) ia de automóvel para a escola, considerando a maioria dos pais/encarregados de educação (64,1%) o caminho de ida e de regresso da escola inseguro; durante a semana mais de metade (59,1%) utilizava o computador cerca de 1 hora por dia, observando-se no fim-de-semana um aumento de horas despendidas para 2 horas ou mais por dia.

O estudo de Vigilância da Obesidade Infantil é feito pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, na qualidade de centro colaborativo da Organização Mundial da Saúde (OMS), e pela Direção-Geral da Saúde (DGS), através do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. No estudo deste ano foram ouvidas 6.743 crianças de 230 escolas do 1.º ciclo do Ensino Básico, com idades entre os 6 e 8 anos.

FONTE: TSF

Ler Documento PDF

O Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI)/ Organização Mundial da Saúde (OMS) é o sistema europeu de vigilância nutricional infantil coordenado pelo Gabinete Regional Europeu da OMS. Tem como principal objetivo criar uma rede sistemática de recolha, análise, interpretação e divulgação de informação descritiva sobre as caraterísticas do estado nutricional infantil de crianças dos 6 aos 8 anos, que se traduz num sistema de vigilância que produz dados comparáveis entre países da Europa e que permite a monitorização da obesidade infantil a cada 2-3 anos.

FONTERepositório Científico do Instituto Nacional de Saúde Departamento de Alimentação e Nutrição DAN - Relatórios científicos e técnicos