Histórico-Culturais
Ver Localização

User Rating: 5 / 5

 

Moagens

Desde a Idade Média (época da Reconquista e da Formação do reino de Portugal) que no Barreiro existiam moinhos movidos pela força da água. 

A orla ribeirinha do concelho do Barreiro foi um espaço privilegiado para a edificação de engenhos moageiros, numa primeira fase hidráulicos e posteriormente eólicos. A zona terá sido aproveitada para o estabelecimento de salinas para serem, mais tarde, reconvertidas em caldeiras para o estabelecimento de moinhos de maré. 

O moinho de maré mais antigo, o Moinho do Cabo, data do séc. XVI, segundo documentos da Ordem de Santiago.

Atualmente encontram-se no concelho do Barreiro, propriedade de particulares, os moinhos de maré de Coina, Telha, Palhais, Braamcamp, Grande, Pequeno e vestígios do Moinho do Cabo, em Alburrica e do Moinho de El-Rei, em Vale de Zebro. 

O Moinho de Maré de El-Rei era o que produzia mais farinha, pois tinha 8 moendas. Abastecia o fabrico de biscoitos em Vale de Zebro. Já sabemos que era esse biscoito que sustentava as armadas reais e as fortalezas no período dos descobrimentos.

Consultar:

Património Barreiro - Alburrica Mexilhoeiro

Património Barreiro - Moagens

Moinhos de Maré

Existem 10, distribuídos pelo estreito de Coina (várias épocas desde o séc. XVI).

Moinho de Maré Pequeno

Moinho com três pares de mós, foi construído em meados do século XVIII, encontrando-se em ruínas.

Ver imagem.



Moinho de Maré Grande

Ruínas do moinho construído na segunda metade do século XVII, com 7 pares de mós.

 

Ver imagem.



Moinho de Maré do Cabo

Ruínas do moinho edificado no século XV. Possuía inicialmente 4 casais de mós e posteriormente foram-lhe acrescentadas outras tantas.

 

Ver imagem.

 

Ver vista de rua.



Moinho de Maré do Braamcamp

Foi edificado no século XVIII nos terrenos da Quinta Braamcamp. Possuía 10 pares de mós. A partir de 1897 o moinho é desativado e instala-se naquele local a Sociedade Nacional de Cortiças que ainda atualmente lá funciona.

 

Ver imagem.

  

Moinho de Maré Coina

Edificado nos séculos XV / XVI, possui cinco engenhos de moagem.
Localização: Coina

 

Ver imagem.

Moinho de Maré do Duque

Construído provavelmente no século XVII, tinha seis casas de mós, casa de moleiro e barco para o transporte das farinhas e cereais.
Pertence atualmente à Bensaúde SA.
Localização: Azinheira Velha – Santo André

 

Ver imagem.

  

Moinho de Maré de Palhais

 

Edificado no século XV, possuía seis casais de mós e casa para o moleiro.
Localização: Santo André

 

Ver imagem.

 

Como funcionam os Moinhos de Maré

 

Moinho de mare ComoFunciona

Moinhos de Vento

Existem 4 moinhos, todos do séc. XIX. 

Em 1852 foram edificados em Alburrica três Moinhos de Vento. O maior ou Gigante, o central ou Poente e o último, o Nascente.

 

Ver vista de rua.

Moinho de Vento Nascente

Construído em 1852 por José Francisco da Costa. Moinho de construção tipicamente portuguesa. Possuía 2 pares de mós.

moinhopoentenascente


Moinho de Vento Poente

Foi construído em 1852 por José Francisco da Costa. É idêntico ao Moinho Nascente. Ostenta na fachada Sul um registo em azulejo com a invocação de Nossa Senhora do Rosário.

moinhograndeepoente 

Moinho de Vento Gigante


Foi construído em 1852 por José Pedro da Costa.
 
O sistema de velas era idêntico ao do Moinho do Jim (tipologia holandesa). Possuía 3 pares de mós.

moinhogrande

Moinho de Vento do JIM


Construído em 1827 por Diogo Hartley, cidadão inglês, o seu sistema de velas era originalmente de tipologia holandesa: velas de madeira rectangulares. Possuía 3 pares de mós. 

moinhodojim

Ver vista de rua.

Como funciona um moinho de vento?

 

moinhosdevento

 


Anexos:
Download this file (A Ordem de Santiago - A Arte como Manisfestação de Culto e Cultura.pdf)A Ordem de Santiago - A Arte como Manisfestação de Culto e Cultura.pdf[MESTRADO INTEGRADO EM TEOLOGIA (1.º grau canónico) de FERNANDO MANUEL MARQUES APOLINÁRIO]1868 kB
Download this file (A_Moita__os_barcos_e_o_tejo.pdf)A_Moita__os_barcos_e_o_tejo.pdf[ ]307 kB
Download this file (A_Muleta_e_a_Tartaranha_SecXV-XX.pdf)A_Muleta_e_a_Tartaranha_SecXV-XX.pdf[Comunicação apresentada pelo académico Fernando Gomes Pedrosa, em 5 de abril]1374 kB
Download this file (FESTIVIDADE A NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO BARREIRO.pdf)FESTIVIDADE A NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO BARREIRO.pdf[Muitos anos antes de 1736, os devotos de Nossa Senhora do Rosário, moradores em Lisboa, estabeleceram nesta cidade um Congresso ou Confraria dos Escravos de Nossa Senhora do Rosário]367 kB
Download this file (MuletadoBarreiro.pdf)MuletadoBarreiro.pdf[Muleta do barreiro]200 kB
Download this file (varinopestarola.pdf)varinopestarola.pdf[Varino Pestarola]156 kB