Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo!   Click to listen highlighted text! Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo! Powered By GSpeech
Sociedade
KIOSK(ext)
WEBMAIL
Abrir Painel

TOP_Artigos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos - 1869 a 2019 2019 é o Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos. Uma resolução das Nações Unidas e da UNESCO…

Ler mais.....

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal - 2017     Já está disponível o novo Retrato de Portugal (versão 2017). Um resumo de indicadores desde 1960 até à atualidade, números que contam a…

Ler mais.....

Brain 3M

Brain 3M

Projeto educativo que oferece uma forma diferente de dar aulas de neuroanatomia, integrando a tecnologia. Este programa, financiado pela Universidade Estadual da Pensilvânia, conta com uma plataforma que combina diferentes…

Ler mais.....

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória O documento, 'Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória' (ver anexos) encontra-se em consulta pública até ao dia 13 de março…

Ler mais.....

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania Com os Guiões de Educação Género e Cidadania, pretende a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) responder à crescente e generalizada…

Ler mais.....

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS - IGEC A presente publicação (ou clica na imagem) pretende, partindo das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação, em cada escola, dar mais um contributo para…

Ler mais.....

COVID-19 | PLANO DE CONTIGÊNCIA DO AGRUPAMENTO

COVID-19 | PLANO DE CONTIGÊNCIA DO AGRUPAMENTO

  O Agrupamento de Escolas Álvaro Velho elaborou um plano de contingência, a partir das orientações recebidas pela Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEste), de modo a permitir enfrentar, de modo…

Ler mais.....

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Infocurso, um site ao qual os alunos podem recorrer para conhecerem melhor o nossos ensino básico, secundário e superior. Os cursos disponíveis no ensino superior Que cursos tem cada Universidade…

Ler mais.....

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO clica na imagem UM OLHAR SOBRE AS PROFISSÕES E O EMPREGO PERANTE O IMPACTO TRANSFORMADOR DA QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Chamam-na a Quarta Revolução Industrial. E não…

Ler mais.....

Selva - o lugar de todos os animais

Selva - o lugar de todos os animais

  A Selva é uma Plataforma informativa que pretende abordar várias áreas da vida animal e das relações entre humanos e os demais animais que connosco partilham o Planeta. Entre…

Ler mais.....

Envelhecer em Portugal e na Europa

Envelhecer em Portugal e na Europa

Quanto tempo podemos esperar viver? E com que qualidade? Que problemas éticos estamos a enfrentar? Num país envelhecido como Portugal, como está a sociedade a mudar para enfrentar os desafios…

Ler mais.....

Regresso às aulas

Regresso às aulas

Regresso às aulas - estratégias para prevenir as dificuldades numa fase de transição e de adaptação na escola Para algumas crianças, setembro representa o início de mais um ano letivo,…

Ler mais.....

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames O Banco de Exames e Provas é um arquivo de todos os instrumentos de avaliação concebidos no âmbito da missão do GAVE, desde 1997. Neste…

Ler mais.....

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa Lisboa acolhe uma grande diversidade de aves cuja beleza é reconhecidamente assinalável. Este importante grupo de espécies encontra na cidade alimentação, local de nidificação e…

Ler mais.....

Portugal Desigual

Portugal Desigual

  Com este site, apresenta-se uma nova análise sobre os impactos da crise económica: o estudo “Desigualdade do Rendimento e Pobreza em Portugal: Consequências Sociais do Programa de Ajustamento”, da…

Ler mais.....

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses - aplicativo ANDROID Aplicação sobre os Descobrimentos Portugueses, destinada aos alunos de História e Geografia de Portugal do 2º ciclo de escolaridade. Inclui 22 atividades sobre o tema…

Ler mais.....

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials A Microsoft e a Code.org associaram-se novamente, para oferecerem um novo recurso gratuito para aprender a lógica da programação, seguindo a famosa metodologia dos blocos…

Ler mais.....

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal - estudo PORDATA Sabia que, desde 1993, os jovens dos 16 aos 24 anos são maioritariamente inactivos? Ou que a taxa de desemprego jovem…

Ler mais.....

A escola não pode ser uma fábrica de alunos

A escola não pode ser uma fábrica de alunos

A escola não pode ser uma fábrica de alunos - Rui Lima Rui Lima tem estado envolvido em diversos projetos nacionais e internacionais relacionados com o tema. Considerado em 2011…

Ler mais.....

A Educação em mudança

A Educação em mudança

A Educação em mudança Ainda baseada num modelo de ensino tradicional, a escola está a aproveitar as novas tecnologias e a mudar a forma de aprendizagem... (ver anexos) adaptado do…

Ler mais.....

User Rating: 0 / 5

User Rating: 0 / 5

STOP Contágio - jogo online

jogo contagio

De forma lúdica, vamos promover a melhoria dos conhecimentos e a adoção de comportamentos adequados por parte da população, no que diz respeito à prevenção da transmissão de agentes infecciosos, como é o caso do coronavírus responsável pela COVID-19 (jogo lançado pela Direção-Geral da Saúde).

User Rating: 0 / 5

Transição de ciclo: mais professores, mais disciplinas, mais livros

regresso

A transição de ciclo é feita de novidades e de uma nova escola. Rotinas e métodos alteram-se. Há mais cadernos na mochila, outras tarefas de estudo, mais professores. É preciso dar tempo ao tempo e espaço às crianças. É importante ouvi-las e respeitar os ritmos de cada uma.

É um novo mundo, um novo ano. O ensino em regime de monodocência termina e começa um outro ciclo de aprendizagem com mais professores, mais disciplinas e uma nova escola. As crianças têm de ser mais autónomas e organizadas, têm mais cadernos, mais docentes, deixam de ser as mais velhas do 1.º Ciclo e passam a ser as mais novas do 2.º Ciclo. Tudo muda. Já não há apenas um professor numa sala, há várias salas, mais docentes e tarefas de estudo.

Quando um novo ano letivo coincide com um ano de transição é preciso redobrar as atenções. O 1.º e o 2.º ciclos são diferentes em vários aspetos. Cada disciplina tem o seu horário semanal predefinido no 2.º Ciclo e há mais matéria do que no 1.º Ciclo. A monodocência passa a pluridocência. A escola normalmente é maior, há mais alunos, mais salas para percorrer, mais intervalos durante a manhã e a tarde, e há o toque da campainha a avisar das horas.

Toda a ajuda é importante porque as rotinas mudam. Gerir mais e diferentes tarefas, saber consultar o horário, selecionar os livros e o material para levar para a escola no dia seguinte, preparar a mochila, decidir o que estudar em cada dia, almoçar ou não almoçar na escola.

O diálogo é bom conselheiro e uma estratégia que facilita a adaptação a novos métodos. Conversar de forma aberta, franca, e amigável, ajuda a resolver problemas, alguns que não se detetam facilmente. A integração numa nova escola ou num novo ciclo de ensino não se faz num dia. É importante que os pais tenham bem presente que, se estiverem muito ansiosos, essa inquietude e preocupação será transmitida aos filhos. Aos primeiros dias ou semanas de ansiedade segue-se, normalmente, uma adaptação progressiva e uma vivência saudável da nova escola. Os pais precisam de dar tempo ao tempo e de deixar espaço aos filhos. Sem descurar, com a continuação dos dias de aulas, a atenção (sem ansiedade) a sinais que possam indiciar a eventualidade de dificuldades na integração, há que criar condições para que ela corra o melhor possível, com alegria e com confiança.

Transição e integração são conceitos complexos, com múltiplas dimensões, processos distintos que se interligam. Existem vários elementos que se conjugam numa mudança de ciclo. A integração das crianças é facilitada pela mobilização dos vários tipos de capital acumulado no seio da família, repercutido na riqueza do nível de linguagem, na capacidade de lidar com conceitos abstratos e na capacidade de apropriação criativa de atividades para-curriculares. Por outro lado, existem fatores que dificultam a integração: a diferença de estatuto face aos alunos mais velhos; as características arquitetónicas da escola; as regras de circulação e uso dos espaços. As crianças concebem estratégias criativas para contornarem obstáculos à sua integração. A integração ativa das crianças pelas escolas nos anos de transição é essencial, principalmente na ausência de capital cultural, social e económico familiares.

Mudar de ano, mudar de ciclo, mudar de hábitos, tentar corresponder às expectativas. Tudo isso implica empenho, esforço, dedicação por parte dos alunos. As crianças perfilham o objetivo de alcançar sucesso escolar - elevado, em muitos casos - e intentam responder às solicitações da escola e da família nesse âmbito. Mostrando graus diferentes de autonomia, procuram, quando o fazem, estar envolvidas num processo de familialização ou, pelo contrário, optam pela individualização. Todo o apoio é importante. As crianças encontram na família e em elementos da escola um apoio estrutural forte que propiciou condições para o desenvolvimento da sua agência ao longo do processo de integração e de todo o ano letivo.

As transições de ciclo de escolaridade e de escola precisam de um olhar atento e de uma intervenção refletida, cuidada e intencional para facilitar uma integração harmoniosa das crianças, em todas as dimensões. Por isso, as crianças devem ser ouvidas e envolvidas, ou seja, é fundamental considerar o ponto de vista dos alunos em fase de transição, como atores centrais desse processo que não é assim tão simples quanto parece à primeira vista.

FONTEEducare 

Anexos:
Download this file (A primeira escola.pdf)A primeira escola.pdf[A primeira escola, a primeira professora (ou professor)]92 kB

User Rating: 0 / 5

Ação ECO-Escolas no AEAV em parceria com PURIFY e Oceanário de Lisboa

obradearte polvo

No âmbito do desenvolvimento das atividades integradas no Projeto Eco Escolas o Agrupamento de Escolas Álvaro Velho pretende participar com todos os alunos na construção de uma obra de arte colaborativa. Esta obra de arte, um polvo, será construída pelo conceituado artista Xico Gaivota e será exposta no Lago do Oceanário de Lisboa, em Abril, pretendendo sensibilizar para o consumo excessivo de plástico descartável. Para a construção desta obra iremos precisar de recolher 500 MIL garrafas de água descartáveis usadas. Neste sentido, solicitamos a colaboração de toda a comunidade escola a realizar recolha de garrafas de água, com tampa mas sem rótulo e depositar as mesmas nos contentores apropriados que se encontram no interior das escolas. As garrafas poderão ser de 0,33 cl; 0,5l ou 1,5l. Será um privilégio poder contar com a vossa participação pois juntos podemos mudar hábitos e salvar o Planeta!

A título de exemplo, partilhamos um dos fundamentos que sustenta a implementação desta Ação de Sensibilização nas escolas:

Sabia que por minuto são vendidas cerca de 1 MILHÃO de garrafas e 91% das vezes este plástico não é reciclado? Metade do plástico é utilizado 1 vez e tem um consumo médio de apenas DOZE MINUTOS. Todos os anos 6 MIL MILHÕES de garrafas PET são deitadas ao lixo e daqui a 30 anos haverá nos Oceanos, em peso, MAIS PLÁSTICO QUE PEIXES.

Hoje, desafiamos as ECO-ESCOLAS de Portugal a combater as previsões e os números e a contribuir para uma mudança de mentalidades e hábitos de consumo desde cedo nos mais novos.

 

User Rating: 0 / 5

Regresso às aulas - estratégias para prevenir as dificuldades numa fase de transição e de adaptação na escola

regresso

Para algumas crianças, setembro representa o início de mais um ano letivo, recheado de expetativa e de vontade de rever os colegas. Para outras, o momento pode ser vivido com alguma inquietação, própria do habitual processo de adaptação, em especial na mudança de escola ou de nível de ensino.

Após cerca de dois meses de férias, regressar à escola representa o reencontro com os colegas e com um estilo de vida onde as crianças, sobretudo as mais extrovertidas, se sentem bem. Voltar a ver os amigos é sempre motivo de felicidade.

Para as crianças mais introvertidas, o regresso à escola pode funcionar como um obstáculo. «Hoje em dia, a escola é cada vez mais um sítio social e menos um local de aprendizagem. Há miúdos para quem o social é mais importante do que outros. Para esses, a escola é mais aliciante, enquanto os miúdos mais fechados preferem as atividades em casa», afirma a psicóloga infantil Alcina Rosa. A terapeuta considera que o diálogo é a melhor arma para travar a subversão do papel primordial da escola. «É melhor adotar um discurso que promova a importância do que se vai aprender e não tanto os outros aspetos. É importante transmitir a ideia aos nossos filhos de que a escola é um lugar muito bom, onde se descobrem coisas novas que nos ajudam a perceber o mundo onde vivemos, o dia a dia. Um sítio interessante onde também podemos conhecer muitas pessoas mas que, essencialmente, nos ajuda a desenvolver enquanto pessoas», diz ainda.

É aconselhável acompanhá-lo à escola?

«As mudanças físicas são sempre factores de stress. Por isso, os pais devem acompanhar a criança quando inicia o ensino pré-escolar, o básico e o segundo ciclo. O início de ciclo tem sempre actividades relacionadas com os pais. É importante que participem.

Do segundo ao sexto ano, os pais devem levá-la à porta da escola, mas não têm de entrar», considera Alcina Rosa. Ao chegar ao sétimo ano, adverte, «a presença exagerada da família começa a ser um factor de constrangimento perante os colegas; a criança pensa que os pais não têm confiança nela e isso não é positivo».

Se, para as crianças mais crescidas e adolescentes, regressar às aulas é encontrar o principal lugar de socialização, geralmente, são os mais pequenos, em especial no ensino pré-escolar e no primeiro ano do 1º ciclo, que reagem pior a esta fase escolar. O pediatra Mário Cordeiro explica que «é normal o primeiro dia de aulas parecer traumático para algumas crianças, por todos os desafios que representa». «Se por um lado, alimentam esperanças e são desejados, por outro, trazem sempre a ameaça do desconhecido e da incógnita», afirma ainda. Considera que «os pais devem preparar o filho antecipadamente, num processo evolutivo que começa no pré-escolar».

Essa orientação deve ser acompanhada de «instruções (e também aprendizagem) de como é estar em sala, do adiar dos impulsos (de falar, gritar, correr) e também do trabalho que o espera, insistindo na importância da metodologia e da organização, mas sem dramatizar, ou seja, salvaguardando que é um espaço onde se pode e deve continuar a ser criança», refere ainda o especialista.

Se a criança ou adolescente insiste em não querer ir à escola ou revela tristeza na rotina escolar é necessário descobrir as razões do descontentamento. A terapeuta Alcina Rosa afirma que «a reação negativa para com a escola pode ocorrer a dois níveis. Ou o processo de aprendizagem não lhe transmite um sentimento de bom aluno e a escola é sentida com dificuldade, em que a aprendizagem é complicada ou gera ansiedade, envolvendo o medo de falhar ou o problema se encontra a nível social, na relação desconfortável com os colegas ou com um ou mais professores».

Perante problemas de aprendizagem, a psicóloga aconselha a adotar uma perspetiva realista do aluno e do seu perfil de aprendizagem. «Não podemos pensar que todos somos bons alunos. Há fatores de natureza cognitiva que determinam o processo de aprendizagem. Temos de ter uma perspetiva do perfil e dos interesses do aluno. Partindo daí, adotamos um diálogo que promova o interesse pela escola e de como a educação é importante na construção do futuro», defende ainda a especialista.

Existem sinais evidentes de que a experiência escolar está a decorrer com dificuldades. Mário Cordeiro aconselha «os pais a estarem atentos a manifestações de tristeza, recusa em ir à escola, desinteresse, mau humor, dores de cabeça ou de barriga, aumento da agressividade, violência sobre os irmãos ou outros meninos».

A terapeuta Alcina Rosa especifica. «Verifique se existe mudança de comportamento entre os fins de semana e o início da semana. Se a tristeza é na ida e se mantém na vinda. Como é o domingo à noite?», questiona a especialista. Perante a instabilidade dos filhos, o pediatra Mário Cordeiro defende que «a única maneira de os ajudar é efetivamente entendendo o mal-estar, mostrando-se aberto a escutar e a perceber, desde os primeiros dias de vida, não desdenhando ou ainda culpabilizando mais a criança». «E, finalmente, tomando medidas em conjunto com os professores. A criança tem de sentir que os pais estão do seu lado», realça, ainda, o especialista.

Cada vez mais comum no recreio das escolas, o bullying pode levar as vítimas a agir de uma forma desesperada se as agressões não forem travadas a tempo. No livro «Bullying - Manual Anti-Agressão», da editora Casa das Letras, Joel Haber lembra que «não são os problemas que enfrentamos nesta vida, mas a forma como os ultrapassamos que define quem somos».

A pedopsiquiatra Paula Vilariça sublinha que é a escola que tem de acionar mecanismos para travar a situação. «Se tiver certeza de um incidente semelhante, os pais devem contatar a escola e dar-lhes conhecimento do que se está a passar. Mas é a instituição que deve reforçar as medidas de proteção e tomar medidas». No entanto, adianta a especialista, «os pais podem ensinar aos filhos competências de autodefesa, nomeadamente ouvirem e tentarem compreender os seus sentimentos. Incentivá-los a pedir ajuda, a saber defender-se ou a fugir, se for o caso». Como salienta Paula Vilariça, «normalmente, quando os pais estabelecem uma relação de confiança com os filhos, resulta, e eles também se sentem seguros».

Confrontados com a queixa escolar de comportamento indisciplinado, os pais têm de perceber o contexto do mau comportamento. «A indisciplina tem por base situações variadíssimas. A origem pode ser défice de atenção ou bullying, por exemplo. É preciso falar com o diretor de turma e ver se o comportamento incorreto é em relação aos colegas, se é numa disciplina ou com um docente em particular. Os pais têm de cultivar uma boa relação com os professores, não os desautorizando, mas vendo neles um ponto de informação importante e de ajuda», refere a pedosiquiatra.

A mudança de atitude é mais facilmente conseguida, defende a especialista em psiquiatria infantil, «com sistemas de recompensa, premiando o bom comportamento, do que através de penalização». Paula Vilariça aconselha a pedir ajuda «se, ao fim de dois ou três meses, o mau comportamento persistir e se todas as medidas de bom senso falharam. A indisciplina e a aprendizagem são, aliás, os primeiros motivos de consultas de pedopsiquiatria».

Os especialistas garantem que os bons resultados escolares dependem do trabalho realizado em casa. Alcina Rosa considera que «apenas a adoção de métodos de estudo diários, que exercitam a leitura, a capacidade de concentração e o cálculo pode gerar bons resultados na escola e nos testes». «Os valores mudaram muito nos últimos anos. Hoje, é tudo tão aberto que não estimula o treino da competência. É cada vez mais raro ter um tempo em casa para o estudo. Temos de consciencializar os nossos filhos que têm de estudar, treinar a atenção e a concentração ensiná-los a saber gerir o tempo e a reservar um horário para o estudo. É aconselhável ir para um sítio onde não existam fatores de distração», refere. 

As atividades extracurriculares e as práticas desportivas são aconselháveis, mas não devem ser forçadas nem demasiadas. Nas palavras do pediatra Mário Cordeiro, «têm de deixar tempo livre para o não fazer nada, o descanso, a preguiça e também atividades em casa (TV, computador, jogos, desenhar e ouvir música), de forma não tanto organizada». «Tem de ser uma atividade que a criança aprecie, para a qual manifeste ter algum talento e que seja exequível em termos monetários e logísticos. Agora, o que se começa em setembro só se termina em julho. Não há desistências ou transferências a meio da época», acrescenta ainda.

A mochila do seu filho deve pesar dez por cento do peso da criança quando cheia. Deve ser bem apoiada nos dois ombros e centrada nas costas. «Uma criança de 25 quilos não deveria levar uma mochila com mais de dois quilos e meio», recomenda o pediatra Mário Cordeiro.

O Saber não Deve Pesar - (PDF)

Os livros «O Pequeno Ditador» de Javier Urra e «Mentes Brilhantes» de Michael D. Whitley podem ajudar os pais a corrigir alguns problemas educacionais e relacionais com os filhos.

Texto: Fátima Lopes Cardoso com Alcina Rosa (psicóloga infantil), Mário Cordeiro (pediatra) e Paula Vilariça (pedopsiquiatra)

Adaptado de Sapo LifeStyle

User Rating: 0 / 5

Educação em Exame: uma visão única, comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal

educacaoemexame

A obra “A Educação em Exame.pt” vem colmatar esta lacuna: apresenta os resultados do PISA, acrescentando dados de outras fontes. Aqui é disponibilizada uma visão única, comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal nos últimos 15 anos, tendo em conta três eixos fundamentais: os alunos e as famílias; os professores e as escolas; e os recursos que o país dedica a esta área.

O site oferece um panorama sobre o sistema português, associado a uma forte vertente de comparações internacionais. Tendo em conta o número de países e regiões onde o PISA é aplicado, surgiu a necessidade de reduzir o número de países em análise, de forma a chegar a resultados e representações gráficas de leitura mais fácil. Procedeu-se a um estudo de agrupamento de países, ou seja, selecionaram-se características de relevo no estudo dos sistemas educativos e agruparam-se os países com base nelas, utilizando-se um país representante de cada grupo. Deste processo resultaram onze países, para os quais foram feitas várias análises.

Anexos:
Download this file (aqeduto11.pdf)aqeduto11.pdf[estudo]1488 kB

User Rating: 0 / 5

A biblioteca particular de Fernando Pessoa online

pessoa logo tranparent 01

O Centro de Linguística da Universidade de Lisboa digitalizou cerca de 1200 livros da biblioteca particular de Fernando Pessoa. Os livros encontram-se disponíveis na internet para consulta on-line.

Click to listen highlighted text! Powered By GSpeech